Saneamento Básico

18/01/2022 19:22h

Recursos são de repasses do Governo Federal, de investimentos provenientes de leilões de concessão de serviço e emissão de debêntures e de financiamentos em recursos de fundos federais. MDR também entregou 137 obras e retomou 290 empreendimentos de saneamento

Baixar áudio

O setor de saneamento básico brasileiro garantiu, em 2021, R$ 43 bilhões em recursos para a melhoria dos serviços. A maior parte é proveniente de quatro leilões de concessão de serviços que alcançaram, juntos, R$ 37,5 bilhões em investimentos previstos, o que vai possibilitar atender mais de 3 milhões de pessoas com esgoto e água tratados nos estados do Rio de Janeiro, Alagoas e Amapá.

Além disso, o Governo Federal investiu R$ 2,1 bilhões em contratos de saneamento – R$ 632,3 milhões provenientes do Orçamento Geral da União (OGU) e R$ 1,5 bilhão em financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e de outros fundos financiadores. Outros R$ 2,8 bilhões foram captados por meio de debêntures incentivadas.

Em 2021, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) entregou 137 obras de saneamento, alcançando mais de 3 milhões de brasileiros. O Governo Federal retomou, ainda, 290 empreendimentos que vão levar água e esgoto tratados a cerca de 7,5 milhões de pessoas.

O Complexo Produtor de Água Deputado Luiz Humberto Carneiro – Sistema Capim Branco, em Uberlândia (MG), foi uma das obras entregues em 2021. A nova estrutura vai reforçar o abastecimento de água tratada na cidade mineira, atendendo 1,5 milhão de pessoas na primeira etapa e a 3 milhões de habitantes até 2060. A obra recebeu R$ 337,7 milhões, por meio do Programa Avançar Cidades – Saneamento.

O reservatório de amortecimento do Córrego Paciência, em São Paulo, é outro exemplo. A infraestrutura é responsável pela retenção dos volumes de água desviados da rede de drenagem principal e, quando ocorre a cheia, devolve a água para o sistema, diminuindo os riscos de enchentes.

“Durante a entrega choveu muito na cidade e eu pensei: agora vamos testar de verdade. Mas graças ao serviço bem executado, o sistema funcionou e logo após a inauguração uma moradora da região me chamou para agradecer, dizendo que aquele investimento iria permitir que ela se deitasse para dormir tranquila, mesmo nos dias de chuva, porque a partir daquele momento a casa dela não corria mais risco de inundação”, lembra o secretário nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão.

Leilões de Saneamento

Os quatro leilões de saneamento realizados em 2021 envolveram os estados do Rio de Janeiro (Cedae blocos 1, 2 e 4 e Cedae bloco 3), Alagoas e Amapá. Além dos recursos para investimentos, também foram arrecadados R$ 26,5 bilhões em outorgas. Os projetos foram estruturados com apoio do MDR, do Programa de Parcerias de Investimentos do Ministério da Economia (PPI) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Esse investimentos com os quatro leilões realizados é considerável. E esses recursos só estão disponíveis para os estados graças ao novo Marco Legal do Saneamento que, na minha opinião, é a maior conquista do MDR dentro da Secretaria Nacional de Saneamento”, destaca o secretário Pedro Maranhão. “Isso porque as mudanças propostas vieram para atender a população em diversas áreas além do saneamento em si, garantindo mais saúde e qualidade de vida”, completa.

O Marco Legal do Saneamento completou um ano de sanção em 15 de julho de 2021. Com a nova lei, a meta do Governo Federal é alcançar a universalização dos serviços de saneamento básico até 2033, garantindo que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90%, ao tratamento e à coleta de esgoto. Foram definidas, também, regras voltadas para drenagem urbana e manejo de resíduos sólidos urbanos. Desde a aprovação do marco regulatório, o MDR trabalha para criar um ambiente de segurança jurídica, competitividade e sustentabilidade, a fim de atrair novos investimentos para universalizar e qualificar a prestação desses serviços.

O primeiro leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) do Rio de Janeiro ocorreu em abril. Serão investidos, em 35 anos, cerca de R$ 27 bilhões em serviços de esgotamento sanitário e complementares em 29 municípios fluminenses.

Representando a região Norte, o Amapá foi o primeiro estado a realizar o certame para concessão dos serviços de água e esgoto. Os 16 municípios amapaenses terão seus sistemas de água e esgoto modernizados, com investimentos que chegam a R$ 3 bilhões.

O terceiro leilão do ano foi para os blocos B (34 cidades das regiões do Agreste e Sertão) e C (27 municípios na Zona da Mata e Litoral Norte) de Alagoas. As cidades vão receber R$ 2,9 bilhões para os serviços de fornecimento de água e esgotamento sanitário.

Para fechar o ano, o leilão do último bloco da Cedae arrecadou mais de R$ 4,5 bilhões para universalizar os serviços de água e esgotamento sanitário no estado do Rio de Janeiro. O bloco 3 é formado por 21 cidades, incluindo bairros da Zona Oeste carioca.

Além desses certames, outros dois leilões de concessão de serviços de saneamento foram realizados após a sanção do Marco Legal, ambos em 2020 - 13 cidades que compõem a Região Metropolitana de Maceió, em Alagoas, e o município de Cariacica e alguns bairros de Viana, no Espírito Santo.

Debêntures de infraestrutura

Ainda em 2021, houve investimentos no setor por meio da emissão de debêntures incentivadas. Ao todo, foram captados R$ 2,8 bilhões nessa modalidade.
“Acredito que esta seja uma tendência, devido ao processo burocrático que é menor em relação a outros modelos de financiamento. E, por isso, permite que a captação de recursos e a implementação dos projetos aconteça de forma mais rápida”, avalia Maranhão.

As debêntures são títulos privados de renda fixa que permitem às empresas obter dinheiro emprestado de investidores para financiar projetos na área de infraestrutura com isenção ou redução de Imposto de Renda sobre os lucros obtidos pelos investidores.

Resíduos Sólidos Urbanos

O secretário Pedro Maranhão e parte de sua equipe técnica estiveram em 13 estados brasileiros (Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Mato Grosso, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Maranhão e Pará) para debater os desafios para a regionalização dos serviços de manejo de resíduos sólidos urbanos.

“Os seminários são uma tentativa de sensibilizar os agentes públicos, a classe empresarial e a população para que todos façam frente ao pacto civilizatório que é o novo Marco Legal do Saneamento. Além disso, os encontros são uma forma de auxiliar os municípios a se organizarem em seus consórcios e de apoiar a formação dos blocos regionais estaduais”, explica Maranhão.
 

Copiar o texto
17/12/2021 19:58h

A maior parte dos recursos será destinada à capital goiana

Baixar áudio

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anunciou nesta sexta-feira, 17 de dezembro, dois projetos selecionados pelo Programa Avançar Cidades para ampliação dos Sistemas de Abastecimento de Água das cidades de Goiânia e Anápolis, em Goiás. 

As obras de saneamento vão receber, por meio de financiamentos com recursos do FGTS, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, cerca de 105 milhões de reais de investimento. 

Na cerimônia de apresentação dos projetos, o ministro reforçou o valor da água, especialmente no Brasil. 

“A água é o bem mais precioso que este País tem. É mais importante do que o petróleo e que qualquer outro fomento ou insumo que o Brasil, por ventura, tenha. O nosso País tem pouco mais de 12% das reservas de água doce do mundo. Logo, em termos absolutos, é o que tem o maior reservatório. Por isso, precisamos tratar bem as nossas águas”. 

Os empreendimentos serão de responsabilidade da Companhia de Saneamento de Goiás, a Saneago, que vai investir cinco milhões e meio de reais de contrapartida. 

A maior parte dos recursos será destinada à capital goiana. Ao todo, serão aplicados setenta milhões e meio de reais na conexão do Sistema de Abastecimento de Água Mauro Borges ao Centro de Reservação Cristina.

Já em Anápolis, serão investidos 40 milhões na execução de elevatórias, adutoras, reservatórios, redes de distribuição de água e ligações prediais.

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, destacou que as obras serão executadas com rapidez.

“Nós temos a certeza que tanto a água, como o esgoto em Goiânia estão à frente, mas não queremos apenas isso, queremos que esteja tudo pronto até o fim da nossa gestão para darmos qualidade de vida à população goianiense”, observou. 

Para saber mais sobre ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
17/12/2021 19:00h

De 2019 para 2020, País ganhou mais 47,6 mil quilômetros de redes de abastecimento de água e 8,1 mil quilômetros de redes de esgotamento sanitário

Baixar áudio

O Brasil registrou, de 2019 para 2020, expansão de 7% nas redes de abastecimento de água e de 2,3% nas de esgotamento sanitário. Os números são do Panorama do Saneamento Básico no Brasil e os Diagnósticos da Prestação dos Serviços de Saneamento Básico – água e esgoto, resíduos sólidos e águas pluviais, divulgado nesta sexta-feira (17) pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Confira neste link a íntregra da pesquisa. 

O anúncio contou com a presença do secretário Nacional de Saneamento, Pedro Maranhão, e contou com transmissão ao vivo pelo canal do MDR no YouTube. Os indicadores de abastecimento de água incluíram 5.350 municípios; de esgotamento sanitário, 4.774; de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, 4.589; e de drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, 4.107.

De acordo com o levantamento, feito com base em números de 2020, o Brasil alcançou, em áreas urbanas, 728 mil quilômetros de extensão de cobertura das redes de água potável, o que significa um aumento de 47,6 mil quilômetros em relação a 2019. As ligações às redes avançaram de 59,1 milhões para 61,7 milhões (4,4%) e o consumo médio de água caiu de 153,9 litros diários por habitante para 152,1.

Com o aumento das ligações às redes de abastecimento de água, a cobertura do serviço alcançou 175,5 milhões de habitantes (84,1% da população brasileira). Já na área urbana, 166 milhões de pessoas (93,4% da população urbana do País) têm acesso aos serviços. A Região Sul apresentou o maior índice urbano, com 98,8%, seguida do Centro-Oeste (98%), Sudeste (96,1%), Nordeste (89,7%) e Norte (72%).

Em relação ao esgotamento sanitário, foram identificados, em 2020, 362,4 mil quilômetros de redes coletoras de esgotos (acréscimo de 2,3% em relação aos 354,3 mil quilômetros de 2019) e 36 milhões de ligações de esgotamentos sanitários (4% a mais em relação às 34,6 milhões de ligações registradas no ano anterior).

Com relação ao atendimento por redes de esgoto, a população urbana atendida alcançou 112,4 milhões de pessoas, um aumento de 4,3 milhões em relação aos números de 2019 - crescimento de 4%. O índice médio de atendimento nas áreas urbanas ficou em 63,2%, com destaque para o Sudeste do País, que registrou cobertura de 84,9%. Contando as áreas não urbanas, a cobertura alcançou 114,6 milhões de pessoas, um crescimento de 4,6% em relação ao ano anterior.

Limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos

Em relação à limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, a cobertura de coleta domiciliar atendeu, em 2020, 98,6% da população urbana, com recolhimento estimado em 66,64 milhões de toneladas de resíduos, dos quais 1,9 milhão são coletados de forma seletiva. Quanto à destinação desses resíduos, estima-se a recuperação de 1,37 milhão de toneladas, dos quais 1,07 milhão referem-se a recicláveis secos e 0,27 milhão, a recicláveis orgânicos.

Quanto à disposição final dos resíduos, 48,17 milhões de toneladas foram dispostas em aterros sanitários (73,8% do total) e 17,13 milhões de toneladas foram dispostas em unidades consideradas inadequadas, como lixões e aterros controlados.

O levantamento mostrou também que 67,6% dos municípios da amostra relativa à drenagem e manejo de águas pluviais urbanas não contam com mapeamento de áreas de risco de inundação de cursos d’água urbanos.

Outro dado levantado foi que 45,3% das cidades contam com sistema exclusivo de drenagem urbana, 12% mantêm um sistema unitário (misto com cargas de esgoto) e 21,3% utilizam em suas áreas urbanas sistemas exclusivos e unitários de forma simultânea.

Presente à divulgação do diagnóstico, o secretário nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão, destacou que os dados coletados são essenciais para que as ações e os investimentos no setor sejam implementados.

“Encerrar 2021 com o lançamento do Panorama é muito especial. Temos, agora, mais um instrumento importante para que os gestores tenham ciência de como está o saneamento no Brasil. Além disso, ao longo do ano, tivemos os leilões do setor que foram um sucesso. Os recursos de outorga estão disponíveis para investimentos em outras áreas e as concessionárias vencedoras já estão trabalhando no Rio de Janeiro, em Cariacica, no Espírito Santo, no Amapá, em Alagoas e em Mato Grosso do Sul para melhorar a prestação dos serviços de água e esgoto, levando mais qualidade de vida e saúde à população”, afirmou.

Com dados coletados no Sistema Nacional sobre Saneamento (SNIS), o Panorama do Saneamento Básico no Brasil 2021 serve de referência para todas as entidades relacionadas ao setor e apresenta, além das informações sobre os quatro componentes do saneamento básico, um quadro geral da prestação dos serviços no País.

“A publicação conversa com todos os tipos de público. Trata-se de uma oportunidade de entendimento sobre os aspectos conceituais, institucionais e técnicos de processos, alternativas, peculiaridades, dados atuais e desafios que a sociedade brasileira tem pela frente para garantir o acesso de todos os
cidadãos aos benefícios do saneamento”, explicou o diretor substituto do Departamento de Cooperação Técnica da Secretaria Nacional de Saneamento, Paulo Rogério dos Santos.

O SNIS

O SNIS é o sistema de informações do setor de saneamento brasileiro. Gerenciado pela Secretaria Nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, reúne informações de caráter operacional, gerencial, financeiro e de qualidade dos serviços de Água e Esgotos (desde 1995), Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos (desde 2002) e Manejo das Águas Pluviais Urbanas (desde 2015). Os indicadores produzidos a partir destas informações são referência para a formulação de políticas públicas, para o acompanhamento da evolução do setor de saneamento no Brasil e comparação de desempenho da prestação de serviços.
 

Copiar o texto
16/12/2021 19:24h

Cinco cidades paranaenses, além de Porto União, em Santa Catarina, tiveram seus projetos selecionados pelo Programa Avançar Cidades – Saneamento

Baixar áudio

As cidades de Castro, Centenário do Sul, Colombo, Cornélio Procópio e Curitiba, no Paraná, além de Porto União, em Santa Catarina, poderão financiar até R$ 199,7 milhões, com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para ampliação de sistemas de esgotamento sanitário ou de abastecimento de água. Os seis municípios foram selecionados pelo Programa Avançar Cidades – Saneamento, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (16), na cidade de Astorga, pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. As obras serão administradas pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), que vai investir R$ 13,7 milhões de contrapartida.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Quando chegamos ao MDR, havia cerca de seis mil obras de mobilidade, infraestrutura e saneamento paradas. E, por orientação do presidente Bolsonaro, não têm faltado recursos para a retomada desses empreendimentos. Hoje, já temos mais de três mil obras em continuação e nós esperamos brevemente estar concluindo todas elas e vê-las sendo úteis à população”, destaca Marinho.

As cidades de Castro, Cornélio Procópio, Centenário do Sul e Porto União usarão os recursos na ampliação de sistemas de esgotamento sanitário. Em Curitiba, o financiamento vai possibilitar a expansão do sistema de abastecimento de água da região metropolitana e a transposição do rio Capivari. Já Colombo utilizará os recursos em serviços de engenharia voltados à redução e controle de perdas no sistema de abastecimento de água do município.

Avançar Cidades

O programa Avançar Cidades - Saneamento tem o objetivo de promover a melhoria das condições de saúde e da qualidade de vida da população urbana e rural por meio de investimentos destinados à universalização e à melhoria dos serviços públicos de saneamento básico.

O programa permite que entes subnacionais e prestadores públicos do setor firmem operações de crédito com contrapartida mínima de 5% do valor do investimento. As propostas ficam sujeitas à análise de risco de crédito, de capacidade de pagamento e de garantias, bem como à capacidade de endividamento dos entes federados.
Cindepar

Ainda em Astorga, o ministro Rogério Marinho participou de reunião com o Consórcio Público Intermunicipal de Inovação e Desenvolvimento do Estado do Paraná (Cindepar). No evento, ele destacou as áreas de atuação do MDR e colocou as equipes da Pasta à disposição para implementar mudanças na região.

“As ações que estão sendo empreendidas aqui em Astorga, especificamente pelas patrulhas que estão trabalhando na implantação do asfalto e em ações de infraestrutura, podem e devem ser ampliadas para a área habitacional e de saneamento em suas quatro vertentes – esgoto, água, resíduos sólidos urbanos e manejo de águas pluviais”, observou Marinho.

Copiar o texto
14/12/2021 20:39h

No total, mais de 16 mil famílias serão beneficiadas e quase 3 mil empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de 1 milhão de reais para a continuidade de duas obras de saneamento básico no estado de Mato Grosso.

Os recursos serão usados na ampliação da rede de coleta de esgoto e para o aumento da capacidade de atendimento do sistema de abastecimento de água da cidade de Rondonópolis.

No total, mais de 16 mil famílias serão beneficiadas e quase 3 mil empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
14/12/2021 20:26h

No total, mais de 6 mil e setecentas famílias serão beneficiadas e quase mil e duzentos empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de 840 mil reais para a continuidade de uma obra de saneamento básico no Distrito Federal.

Os recursos serão destinados à implantação de um centro de reservação no sistema de abastecimento de água do Descoberto.

No total, mais de 6 mil e setecentas famílias serão beneficiadas e quase mil e duzentos empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
14/12/2021 20:21h

No total, mais de 20 mil famílias serão beneficiadas e mais de 4 mil e empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de 7 milhões e oitocentos mil reais para a continuidade de duas obras de saneamento básico no estado de Rondônia.

Os recursos serão usados na implantação do sistema de esgotamento sanitário e na ampliação e readequação do sistema de abastecimento de água da cidade de Vilhena.

No total, mais de 20 mil famílias serão beneficiadas e mais de 4 mil e empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
14/12/2021 20:15h

No total, mais de 26 mil famílias serão beneficiadas e mais de 4 mil e seiscentos empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de 3 milhões de reais para a continuidade de três obras de saneamento básico no estado do Pará.

Em Santarém, os recursos serão usados na ampliação dos sistemas de abastecimento de água do Setor Nova República e do Distrito de Alter do Chão. Já em Monte Alegre, o repasse também custeará o aumento da capacidade da rede de distribuição de água tratada.

No total, mais de 26 mil famílias serão beneficiadas e mais de 4 mil e seiscentos empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
14/12/2021 20:10h

No total, cerca de 42 mil famílias serão beneficiadas e mais de 7 mil empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de nove milhões de reais para a continuidade de quatro obras de saneamento básico no estado do Rio Grande do Sul.

Nas cidades de Farroupilha e Rolante, o recurso será usado na ampliação do sistema de esgotamento sanitário. Já na capital Porto Alegre, o repasse vai custear a ampliação do sistema de macrodrenagem da Bacia do Arroio Areia e da rede de esgoto que atende a Zona Sul.

No total, cerca de 42 mil famílias serão beneficiadas e mais de 7 mil empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
14/12/2021 20:05h

No total, mais de 26 mil famílias serão beneficiadas e mais de 5 mil e quinhentos empregos serão gerados

Baixar áudio

O Governo Federal vai repassar mais de oito milhões e meio de reais para a continuidade de três obras de saneamento básico no estado de Mato Grosso do Sul.

Em Três Lagoas, os recursos serão usados na ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto Paraná e no aumento da cobertura da rede de coleta de esgoto. 

Já em Corumbá, o repasse também vai custear o aumento da capacidade de atendimento da rede de esgoto.

No total, mais de 26 mil famílias serão beneficiadas e mais de 5 mil e quinhentos empregos serão gerados.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, destaca a importância de se investir em saneamento básico. Ele também ressalta que concluir as obras em andamento é uma prioridade do Governo Federal.

“Nós sabemos o benefício que o tratamento de água, de esgotos, a canalização adequada dos córregos propicia às cidades. Então, nós estamos fazendo todo o esforço para que não haja nenhuma interrupção do cronograma físico-financeiro dessas obras. Desde a nossa chegada aqui, por orientação do presidente, não tem faltado recursos e nós esperamos brevemente estar concluindo essas obras e que elas sirvam à população".

No total, o Governo Federal vai repassar mais de 150 milhões de reais para a continuidade de obras de saneamento básico no Distrito Federal e em 18 estados do País.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em saneamento básico, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
Brasil 61