Pandemia

11/01/2022 16:00h

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os processos de fabricação ou importação de doses de vacina só podem ser realizados depois de uma autorização da Anvisa

Baixar áudio

O Ministério da Saúde conseguiu antecipar 600 mil doses da vacina pediátrica contra a Covid-19, produzidas pela empresa Pfizer. A informação foi repassada pelo ministro Marcelo Queiroga. Segundo ele, os processos de fabricação ou importação de doses de vacina só podem ser realizados depois de uma autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Além disso, o ministro defendeu ações conjuntas entre União, estados e municípios para ampliação da vacinação contra a doença. Na ocasião, Queiroga destacou a importância da segunda dose do imunizante, assim como da dose de reforço.

“Temos que continuar com o combate à pandemia, e a melhor forma é ampliar nossa campanha de vacinação, em relação à aplicação da segunda dose em alguns estados, que estão com essa fase em atraso, e a dose de reforço. Nós temos vacinas suficientes. As vacinas são enviadas aos estados que, por sua vez, devem enviar aos municípios”, pontuou. 

COVID-19: Ministério da Saúde reduz de 10 para 5 dias isolamento para pacientes com casos leves

COVID-19: primeiro lote de vacinas produzidas com o IFA nacional será entregue em fevereiro

A Sociedade Brasileira de Infectologia, representada pela doutora Rosana Richtmann, apoia a incorporação da vacina da Pfizer para crianças na faixa etária de 5 a 11 anos. “Pelos dados apresentados e pelo número de menores de 18 anos no nosso país que nós perdemos por causa da pandemia - são mais de 2.500 crianças e adolescentes que nós perdemos - eu vejo como excelente a vinda de uma vacina em termos de proteção para essas crianças”, considerou. 

De acordo com o Ministério da saúde, o primeiro lote, com 1,2 milhão de doses, deve chegar ao Brasil nesta quinta-feira (13). A distribuição das doses seguirá o critério populacional. Confira o percentual da população de 5 a 11 anos por estado:

Região Centro-Oeste (8,17%)

  • Distrito Federal - 1,30%
  • Goiás - 3,55%
  • Mato Grosso do Sul - 1,47%
  • Mato Grosso - 1,85%

Região Sudeste (39,18%)

  • Espírito Santo - 1,93%
  • Minas Gerais - 9,02%
  • Rio de Janeiro - 7,49%
  • São Paulo - 20,73%

Região Sul (13,17%)

  • Paraná - 5,25%
  • Rio Grande do Sul - 4,73%
  • Santa Catarina - 3,19%

Região Nordeste (28,43%)

  • Alagoas - 1,77%
  • Bahia - 7,07%
  • Ceará - 4,42%
  • Maranhão - 4,02%
  • Paraíba - 1,89%
  • Pernambuco - 4,80%
  • Piauí - 1,62%
  • Rio Grande do Norte - 1,67%
  • Sergipe - 1,17%

Região Norte (11,05%)

  • Acre - 0,57%
  • Amazonas - 2,77%
  • Amapá - 0,55%
  • Pará - 4,99%
  • Rondônia - 0,93%
  • Roraima - 0,38%
  • Tocantins - 0,86%

Trâmite para aquisição de vacinas

Ainda de acordo com Marcelo Queiroga, o trâmite para aquisição e distribuição de vacinas no Brasil é considerado satisfatório, quando comparado ao processo realizado em outros países. “A indústria farmacêutica só pode deflagrar produção de doses após o aval da agência regulatória [Anvisa]. Então doses não aprovadas pela agência regulatória não podem adentrar no país, sob pena de caracterizar até mesmo crime sanitário”, destacou o ministro.
 

Copiar o texto
10/01/2022 20:45h

O ministério considera que devem seguir a orientação aqueles pacientes que não apresentam sintomas respiratórios, que não sentiram febre há 24 horas e que tenham resultado negativo para teste PCR ou de antígeno

Baixar áudio

O Ministério da Saúde reduziu o tempo recomendado de isolamento social em caso de resultado positivo para Covid-19.  O anúncio foi feito nesta segunda-feira (10) pelo ministro Marcelo Queiroga. Segundo o chefe da Pasta, o tempo passou de 10 para 5 dias, e vale para casos leves ou moderados. No entanto, o ministro pediu que a população continue evitando aglomerações desnecessárias. 

“Assistimos, no ano passado, a um aumento de casos no mês de janeiro. E, este ano, temos a Ômicron, que é muito mais transmissível. Então, é necessário que haja uma certa cautela para que possamos abrir nossa economia. Quero aproveitar a oportunidade e pedir a quem for fazer festa em casa, agora nas férias, que faça isso com bastante responsabilidade, para evitar um aumento de casos ainda maior com essa variante Ômicron”, destacou Queiroga. 

CDC dos Estados Unidos reduz tempo de isolamento em caso de resultado positivo para Covid-19

COVID-19: primeiro lote de vacinas produzidas com o IFA nacional se

O ministério considera que devem seguir a orientação aqueles pacientes que não apresentam sintomas respiratórios, que não sentiram febre há 24 horas e que tenham resultado negativo para teste PCR ou de antígeno.

Confira a nova recomendação sobre isolamento:

  • Para quem está com Covid-19 leve ou moderada, o isolamento é de, no mínimo, 7 dias, sem teste.
  • Se no 5º dia o paciente não apresentar sintomas respiratórios e febre por um período de 24 horas, sem uso de antitérmico, poderá fazer o teste (antígeno ou PCR). Se o resultado der negativo, ele pode sair do isolamento.
  • Se no 7º dia o paciente ainda apresentar sintomas respiratórios ou febre, ele pode fazer o teste (PCR ou antígeno). Se o resultado for negativo, pode sair do isolamento. Caso dê positivo, deve ficar em isolamento até 10 dias e só sair quando não apresentar mais sintomas.
  • Após 10 dias, se estiver sem sintomas respiratórios, não é necessário testar.

Outros países

A redução do tempo de quarentena para infectados com Covid-19 já havia sido adotada nos Estados Unidos. Em vez de dez dias, a recomendação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano é de que sejam levados em conta cinco dias, caso não haja surgimento de sintomas — e se usarem máscaras por perto de outras pessoas por pelo menos mais cinco dias. 

O CDC dos EUA também decidiu que pessoas que entraram em contato com outras infectadas devem realizar a testagem no quinto dia do contato. Além disso, para quem não tomou a vacina ou possui dose em atraso, a recomendação é de que haja um período de cinco dias em quarentena e um rigoroso uso de máscara por mais cinco dias. 

"Está sendo adotada em outros países e tem assento em evidências científicas”, defendeu Queiroga na última semana. O ministro também destacou que o governo francês autorizou médicos infectados com Covid a seguirem atuando na linha de frente. Entre outros motivos, um dos argumentos foi de que a variante ômicron, predominante nos novos casos, tem causado sintomas mais leves.
 

Copiar o texto
08/01/2022 15:50h

Segundo a infectologista Joana D'arc, o período médio que uma pessoa infectada ainda fica capaz de transmitir a doença é de 10 dias

Baixar áudio

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos diminuiu o tempo recomendado de isolamento social em caso de resultado positivo para Covid-19. Em vez de dez dias, a recomendação agora é de que sejam levados em conta cinco dias, caso não haja surgimento de sintomas — e se usarem máscaras por perto de outras pessoas por pelo menos mais cinco dias.

Na avaliação da infectologista Joana D'arc, as medidas levaram em conta problemas locais, políticos e comerciais. Segundo ela, as recomendações deveriam ser mais amplas, de forma a atender a demanda de outros países. 

“Quando se faz o teste de PCR ou antigênico, não há como determinar há quanto tempo a pessoa está infectada. Para você exigir cinco dias de isolamento e sair após esse período, na maioria dos países, eles exigem outro teste, para que se possa voltar ao convívio normal. Isso, após um período de isolamento e quarentena”, considera. 

É dengue ou Covid (Ômicron)? Saiba diferenciar os sintomas

Ministério da Saúde inclui crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação contra Covid-19

O CDC também decidiu que pessoas que entraram em contato com outras infectadas devem realizar a testagem no quinto dia do contato. Além disso, para quem não tomou a vacina ou possui dose em atraso, a recomendação é de que haja um período de 5 dias em quarentena e um rigoroso uso de máscara por mais 5 dias.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta sexta-feira (7) que a Pasta e a Secretaria de Vigilância em Saúde avaliam reduzir o tempo de isolamento de pessoas infectadas. "Está sendo adotada em outros países e tem acento em evidências científicas. É possível que adotemos essa mesma conduta. Isso está em estudo na área técnica, na Secretaria de Vigilância e Saúde, e hoje tenho reunião com os secretários para tratar desse tema”, disse o ministro.

Até o fechamento desta reportagem, o Ministério da Saúde havia informado, por meio de nota, que o ministro afirmou apenas que “há a possibilidade de o  Brasil rever o intervalo da quarentena da Covid-19.” E que não houve declaração de que “profissionais da saúde estarão autorizados a voltar ao trabalho ainda infectados pela doença.”

Por quanto tempo a pessoa ainda pode transmitir a Covid-19?

Em junho de 2021, o portal Brasil61.com publicou reportagem com informações de quantos dias uma pessoa infectada com coronavírus pode transmitir Covid-19. Na época, foi dado que o período de incubação do vírus é de 2 a 14 dias, tempo que pode levar para os primeiros sintomas aparecerem. 

Para Joana D'arc, atualmente, o período médio que uma pessoa infectada ainda fica capaz de transmitir a doença é de 10 dias. Por isso, é preciso avaliar o convívio social e tornar as medidas protetivas, como uso de máscara, habituais. 

“Pessoas com sintomas leves ou assintomáticas podem transmitir a doença até em torno de 10 dias. Quem tem sintomas, ficou hospitalizado ou teve a doença na forma grave, o período vai até 20 dias. Mas, a média é de 10 dias de quarentena, de isolamento”, ressalta. 

Decisões do CDC para os Estados Unidos

  • Isolamento passa para 5 dias após teste positivo.
  • Se assintomático, pode sair do isolamento desde que mantenha o uso de máscara por 5 dias.
  • Pessoas que entraram em contato com pessoas positivas devem realizar a testagem no quinto dia do contato.
  • Quem tomou a dose de reforço, não precisa ficar em quarentena, mesmo após o contato com um infectado. A orientação é apenas que use máscara por 10 dias.
  • Para quem não tomou a vacina ou possui dose em atraso, o CDC recomenda o período de 5 dias em quarentena e um “rigoroso uso de máscara” por outros 5 dias.
     
Copiar o texto
07/01/2022 19:40h

Turismo registrou maior número de contratações do ano em novembro

Baixar áudio

Quem conferiu o calendário do ano já reparou que três dos principais feriados nacionais caem em uma quarta-feira: Independência do Brasil (07/09), Dia de Nossa Senhora Aparecida (12/10) e Finados (02/11). Além disso, Dia do Trabalho (1º/05) e Natal (25/12) são domingos. 

Após as restrições pela pandemia, Bruna Guimarães, sócia de uma agência de viagens de Brasília, lamenta que o costume de emendar os feriados não vai ser fácil neste ano, como seria no caso de terças e quintas-feiras, mas está otimista para 2022.

“Atrapalham muito, porque geralmente no feriado é o que a gente mais costuma vender, principalmente para o turismo que a gente fala de turismo próximo. Realmente o pessoal gosta de feriados que emendam. Quarta-feira, infelizmente, fica um dia só, a pessoa não consegue fazer um bate volta”, explica.

Para não deixar de conhecer outras cidades, alguns viajantes já estão se adaptando ao período menor do feriado. César Raizer, jornalista, costuma fazer várias viagens no ano durante feriados prolongados, finais de semana e as férias. Para 2022 ele conta que viajará por períodos menores. 

“Eu não acredito que o fato de 2022 ter menos feriados prolongados vai atrapalhar meus planos de viagem. O que acontece é que  vou viajar por períodos menores, menos tempo,  ao invés de ficar quatro dias eu vou aproveitar só final de semana, ir numa sexta-feira à noite, ou no sábado de manhã e voltar na segunda-feira cedo.”

Luiz Eduardo Passeado Barbosa , CEO, do portal Visite Brasília, está otimista para 2022. “Esperamos que as coisas possam  se normalizar com as devidas precauções,  elas tem que continuar sendo feitas. O distanciamento, máscara, álcool em gel, a questão da aglomeração a gente tem que evitar.  Mas estamos otimistas não só no turismo rural, o turismo de aventura que é ao ar livre foi muito procurado em 2021. Esperamos também que o turismo de negócios, turismo nas grandes capitais, possa estar retomando e aquecendo a economia, aquecendo o mercado de turismo”, explica.

Contratações

Depois de um período complicado devido a pandemia de Covid 19, o setor de turismo registrou o maior número de contratações do ano em novembro do ano passado. Foram 39 mil novas vagas, o que representa 12% do total de empregos gerados no país. 

Os dados são da pesquisa Monitora Turismo, baseada no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência.

Calendário de feriados oficial

O Governo Federal divulgou o calendário de feriados e pontos facultativos de 2022, definido na Portaria nº 14.817, do Ministério da Economia, do último dia 20 de dezembro. As datas estipulam que dias de feriado e pontos facultativos vão valer para órgãos e entidades da Administração direta, autárquica e fundacional do poder Executivo federal.

Copiar o texto
Covid
01/01/2022 09:00h

Anticorpos neutralizantes contra a variante aumentaram 2,7 vezes após dose de reforço do imunizante

Baixar áudio

Uma terceira dose da vacina AstraZeneca contra a Covid-19 aumenta significativamente os níveis de anticorpos capazes de neutralizar a variante Ômicron do novo coronavírus. A descoberta consta em novo estudo realizado por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade de Oxford. 

A pesquisa foi feita com 41 voluntários. Um mês após terem tomado a terceira dose do imunizante, eles apresentaram anticorpos contra a Ômicron em níveis semelhantes aos anticorpos que combatem as variantes Alfa e Delta depois da segunda dose. 

A infectologista Joana Darc Gonçalves destaca que após a descoberta de novas variantes é comum haver pesquisas em profusão para investigar se as vacinas existentes são ou não eficazes para proteção contra um determinado tipo de vírus. A especialista diz que, até o momento, os estudos trazem resultados positivos. 

“Tanto a AstraZeneca, como a Pfizer, Moderna e  outros centros de investigação estão avaliando essa questão da eficácia e, para nossa sorte, muitas têm demonstrado serem eficazes após a terceira dose, aumentando o número de anticorpos circulantes e evitando, assim, infecção e doença grave”, destaca. 

O estudo foi publicado em uma plataforma internacional de biologia e mostra que os anticorpos neutralizantes contra a variante aumentaram 2,7 vezes após a terceira dose da AstraZeneca. Os pesquisadores salientaram que “a campanha para fornecer doses de reforço deve adicionar considerável proteção contra a infecção pela Ômicron”. 

RETROSPECTIVA: Quanto tempo devo ficar sem ingerir álcool após tomar vacina contra Covid-19?

Não há motivo para pânico, diz OMS sobre variante Ômicron do novo coronavírus

Com presença da Ômicron no Brasil, Queiroga diz que País já trabalha para impedir avanço da variante

Para intensificar o combate à variante, o Ministério da Saúde já anunciou a redução de cinco para quatro meses do intervalo entre a segunda e a terceira dose da vacina contra a Covid-19. 

“É importante falar do reforço da terceira dose. Alguns países já estão iniciando essa campanha para vacinar toda a população já pensando nessa questão das variantes e das mutações”, destaca a infectologista. 

O que especialistas dizem sobre a Ômicron é que, embora se dissemine com mais facilidade, sendo altamente transmissível, ela é menos letal do que as demais variantes do novo coronavírus. Para Joana Darc, isso pode ser um indicativo promissor em relação à pandemia da Covid-19. 

“O que a gente tem visto até agora é que realmente ela produz menos mortalidade, menos complicações, menos hospitalizações e muita gente está na expectativa de que seja já um vírus atenuado e que, no futuro, talvez a gente nem precise de  vacina, caso esse vírus se torne dominante e seja realmente menos letal e agressivo. Isso seria o ideal pra gente. Mas ainda temos que aguardar as consequências dessa quantidade de pessoas que estão se infectando”, ressalta. 

A disseminação da Ômicron levou a uma nova onda de contaminações na Europa. A França, por exemplo, registrou 208 mil casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, recorde desde o início da pandemia. A Espanha, por sua vez, registrou cerca de 100 mil casos em um dia, mais que duplicando o recorde anterior. 

Copiar o texto
27/12/2021 19:05h

Na retrospectiva do portal Brasil61.com, a reportagem voltou a ouvir especialistas sobre o tempo que se deve esperar para ingerir bebida alcóolica após a imunização contra o coronavírus

Baixar áudio

O ano está chegando ao fim e, ao longo dos últimos 12 meses, o portal Brasil61.com acompanhou os principais fatos que viraram notícia. Nesta retrospectiva, vamos destacar uma das principais dúvidas que surgiram desde quando a população começou a se imunizar contra o coronavírus. A pergunta que se fazia era a seguinte: posso beber depois de tomar a vacina contra Covid-19?

No mês de maio, a Fundação Oswaldo Cruz informou, por meio de nota, que “não foi identificada nenhuma interação entre a vacina e o consumo de bebidas alcoólicas nos estudos clínicos já realizados com a vacina Oxford/AstraZeneca/Fiocruz. Por não ser uma avaliação prevista nas pesquisas, não há qualquer informação sobre essa interação na bula da vacina”.  

Atualmente, especialistas já conseguem responder a essa pergunta. Em entrevista ao portal Brasil61.com, a infectologista Ana Helena Germoglio disse, nesta segunda-feira (27), que beber moderadamente depois de tomar a vacina não causa nenhum problema. 

“Tudo deve ser feito com moderação. As pessoas que têm gestão crônica de álcool vão ter uma resposta à vacina contra a Covid-19 ou a qualquer outra vacina aquém do desejado. Isso porque eles têm uma verdadeira redução da atividade do sistema imune. Mas, para as pessoas que ingerem álcool com moderação, que bebem socialmente, não tem problema nenhum. Pode, inclusive, beber álcool no dia da vacinação”, explica.

Qualifar-SUS: portaria libera recursos de custeio para municípios habilitados no programa

RS, BA, PE e RJ registram óbitos causados pela nova cepa H3N2 do vírus Influenza

O epidemiologista da Sala de Situação em Saúde da Universidade de Brasília (UnB), Mauro Sanchez, também reforça os prejuízos do consumo excessivo de álcool.

“Se você abusa de álcool - principalmente se esse abuso acontece durante um período prolongado - isso pode causar imunossupressão, o que afeta biologicamente o organismo. O que se deve ter é o bom senso de não abusar de bebida alcoólica, como sempre deve ser feito”, recomenda. 

Recomendações pós-vacina contra Covid-19

A diretora da SBIm, Flávia Bravo, explica que após tomar a vacina contra a Covid-19, não é necessário fazer repouso ou evitar pegar peso. No entanto, é preciso ter atenção caso apareçam efeitos adversos.

“Você deve respeitar se tiver algum evento adverso: se tiver febre, se tiver mal-estar; tratando os sintomas. O mesmo vale para quem tem comorbidade: dedicar atenção e o cuidado específico à sua comorbidade”, explica. 

Além disso, os cuidados contra o coronavírus devem continuar mesmo após a vacinação, já que nenhum imunizante é 100% eficaz e, portanto, parte das pessoas vacinadas ainda são capazes de se contaminar e transmitir o vírus, de acordo com Flávia Bravo.
 

Copiar o texto
22/12/2021 20:15h

Também conhecida como “Darwin”, nova variante foi identificada primeiramente na Austrália

Baixar áudio

O vírus da gripe Influenza A H3N2 tem se espalhado rapidamente pelo Brasil e deixado vários estados em situação de alerta por conta do aumento no número de casos e mortes. 

Somente no Rio de Janeiro, já são 5 mortes causadas pelo subtipo H3N2 e mais de 20.000 casos confirmados em decorrência da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocada pela Influenza, desde o início de novembro até 15 de dezembro, segundo a Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura do Rio.

“Na realidade, o vírus Influenza já existe a milhares de anos. Ele foi responsável pela gripe espanhola, pela gripe aviária, pela gripe dos suínos. E agora está aparecendo uma nova variante [H3N2] que está provocando esse surto no Rio de Janeiro, e com certeza vai atingir o Brasil todo”, avalia o Dr. Carlos Machado, médico preventista. 

Segundo o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe da Fiocruz, a variante H3N2 circula entre a população desde 1960, mas esse ano ela sofreu uma nova mutação na Austrália, que logo se espalhou pelo mundo e chegou ao Brasil. Também é conhecida como variante Darwin, em referência à cidade em que ela foi sequenciada.

Covid-19: Fiocruz lança cartilha com recomendações para diminuir a transmissão do vírus nas festas de fim de ano

Covid-19: menos de 60% da população de RR, AP, PA e MA tomaram as duas doses da vacina

No nordeste do país, o estado de Alagoas confirmou 21 casos e três mortes pelo vírus, mas ainda não foi identificado o subtipo que causou os óbitos. Já na Bahia, houve duas mortes pelo subtipo H3N2 e a Secretaria de Saúde do estado alerta para possível surto na capital Salvador. Em Pernambuco, o governo confirmou, no começo dessa semana, que já são 42 casos e uma morte por influenza A H3N2.

No Espírito Santo, segundo a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), ao menos 74 pessoas ficaram doentes e duas morreram após infecção pelo vírus da influenza H3N2. No começo da semana, a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná registrou a primeira morte relacionada à nova variante, além de 20 casos já confirmados.

Os estados de São Paulo, Pará, Amazonas, Rondônia e Goiás estão em alerta por conta da alta no número de casos, apesar de ainda não terem registrado óbitos relacionados ao subtipo H3N2. 

Quais os sintomas da Influenza H3N2?

Assim como ocorre com o coronavírus, o vírus H3N2 é facilmente transmitido de pessoa para pessoa, através de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou fala. Segundo o Dr. Carlos Machado, os sintomas são semelhantes ao de uma síndrome gripal. “Os sintomas provocados são semelhantes a um quadro infeccioso viral. Então os mais comuns são febre, tosse seca, dor no corpo. Em crianças, pode dar dor de barriga e diarreia”, esclarece. 

O médico também afirma que os sintomas podem ser parecidos com os de Covid-19. Mas, no caso da influenza, eles são mais intensos nas primeiras 48 horas, enquanto que na Covid, eles aparecem a partir do 5º ou 6º dia. Mesmo assim, se houver dúvidas, é preciso fazer o teste para ter o diagnóstico preciso. 

A assistente administrativa Aline Gomes, de 25 anos, mora na Zona Portuária da capital Rio de Janeiro e contraiu o vírus no começo de dezembro. “Tive muita dor no corpo, febre, dor de cabeça, meu nariz ficou congestionado e muita coriza. Durou, mais ou menos, uns cinco dias, sendo que nos três primeiros dias foi muito forte, mas depois foi amenizando. A tosse ainda tá um pouco comigo”, conta. Ela acrescenta que, além dos remédios e muita água, o repouso foi essencial para sua recuperação. 

As prevenções para não contrair o vírus da Influenza são as mesmas que já estamos acostumados desde o começo da pandemia de Covid-19: usar máscaras, higienizar as mãos com frequência e evitar aglomerações.

Surto inesperado

Para o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe da Fiocruz, há dois principais motivos, de acordo com o que se sabe até agora, para o surto acontecer nessa época: o isolamento social provocado pela pandemia e a baixa adesão à vacina da gripe.

“A partir do final de março de 2020, nós aderimos às medidas de prevenção contra a Covid-19 e isso se estendeu pelo ano todo, até a gente começar a flexibilizar e relaxar cada vez mais esse ano. Ou seja, voltar a se expor mais. Isso traz como consequência o fato de que a gente não teve nem a imunidade natural, por estarmos em isolamento, e nem a proteção da vacina”, ressalta. 

Como resultado disso, os surtos de gripe, historicamente mais comuns no outono e inverno, começaram, esse ano, no final da primavera e pode se estender pelo verão, intensificados pela nova mutação H3N2 oriunda da Austrália. 

Vacinação contra a gripe

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2021, foram aplicadas cerca de 67 milhões de doses e distribuídas 80 milhões para todos os estados e Distrito Federal, dentro da Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza. Contudo, o pesquisador destaca que a nova cepa H3N2 não é compatível com as cepas presentes na vacina da gripe.

“A vacina da gripe é composta por três vírus: uma cepa da Influenza A, que é H1N1; uma cepa da Influenza A, que é H3N2; e uma cepa do vírus da Influenza B. A escolha de qual cepa vai entrar na vacina é feita de acordo com o que aconteceu na temporada passada. No nosso hemisfério, é por volta de setembro que se bate o martelo para saber qual será a composição da vacina para o ano seguinte. Então, naquela época, essa variante do H3N2 não era a dominante, e não tinha indícios de que ela passaria a ser dominante agora”, explica.

Gomes acrescenta que esse não é um caso isolado, que é “da natureza da biologia” que o vírus da gripe mude de forma acelerada e que, mesmo que a vacina disponível não tenha uma proteção específica contra a nova cepa, é importante se vacinar para prevenir infecções causadas pelas demais cepas.  

O Instituto Butantan, maior produtor de vacinas para a gripe do Hemisfério Sul, confirmou que já iniciou a preparação dos bancos virais para atualizar o imunizante contra a nova variante, e que as vacinas devem estar disponíveis para os brasileiros no começo de 2022.  

Copiar o texto
22/12/2021 19:55h

Segundo o Ministério da Saúde, houve uma queda de 93% dos óbitos de SRAG por Covid-19 entre a 10ª e 39ª semana epidemiológica de 2021

Baixar áudio

Dados do Ministério da Saúde indicam que 62,3% dos óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocados por Covid-19, em 2021, foram de pessoas acima de 60 anos. Além disso, 56% dessas mortes eram do sexo masculino e 44% do sexo feminino.

As informações foram divulgadas na 12ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite.

A infectologista Ana Helena Germoglio aponta algumas razões para os óbitos por Covid-19 estarem concentrados na faixa etária acima de 60 anos.

“O sistema imunológico do paciente idoso já não responde da mesma forma como o dos jovens. Além disso, os idosos têm muito mais propensão a ter doenças associadas - hipertensão, diabetes, obesidade - do que os jovens. Então isso também é um fator que faz com que eles sejam considerados grupos de risco para casos graves da doença.”

Em nota encaminhada nesta quarta-feira (22), o Ministério da Saúde informa que até o momento, foram registrados 32 casos confirmados da Ômicron no Brasil, sendo 20 em São Paulo, dois no Distrito Federal, um no Rio Grande do Sul, quatro em Goiás, três em Minas Gerais, um no Rio de Janeiro e um em Santa Catarina. Dois casos permanecem em investigação no Distrito Federal e outros 14 no Rio Grande do Sul.

A doutora Ana Helena Germoglio reforça a importância das medidas de proteção contra o coronavírus, especialmente com o surgimento de novas variantes.
“Os idosos precisam continuar se protegendo. E nada mudou em relação ao que era antes: uso de máscara, evitar aglomeração, se encontrar [somente] em ambientes abertos. E a vacina é o mais importante disso tudo.”

Já em relação à maior taxa de letalidade entre os homens, a infectologista esclarece que o fato se deve a uma teoria comportamental. “Os homens se expõem mais, saem mais de casa e obedecem menos às regras do isolamento domiciliar”. 

Queda de óbitos

Segundo balanço do Ministério da Saúde, do total de 422.740 óbitos de SRAG notificados em 2021, 372.954 (88,2%) foram provocados por Covid-19. Entre a 10ª e 39ª semana epidemiológica do ano, houve uma redução de 93% dos óbitos registrados.

A infectologista afirma que essa queda de mortes está nitidamente relacionada à vacinação, que atingiu mais de 91% da população vacinável (178.137.803 brasileiros com 12 anos ou mais), segundo o Ministério da Saúde.

“A redução de casos graves da doença, após o início da vacinação, foi gritante. É claro que, mesmo entre os vacinados, tem pessoas que não vão responder adequadamente às vacinas e podem evoluir para casos graves. Mas isso se torna exceção e não regra. Porque o que a gente tinha, antes da vacinação, eram pessoas de alto risco, imunossuprimidos, que evoluíam para SRAG”, afirma.

“Podemos, com certeza, falar que o Brasil é um case de sucesso. Porque, de uma alta taxa de transmissibilidade, de uma alta taxa de óbitos, após o início da vacinação e da adesão da população, a gente conseguiu controlar os casos de óbitos por Síndrome Respiratória associada à Covid-19”, acrescenta.

Covid-19: menos de 60% da população de RR, AP, PA e MA tomaram as duas doses da vacina

Brasil vai doar 10 milhões de vacinas contra Covid-19 para países de baixa renda

Dados Covid-19

De acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta quarta-feira (22), o Brasil registrou 3.451 novos casos e 143 óbitos por Covid-19. Desde o início da pandemia, mais de 22,2 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. 

O estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação é o Rio de Janeiro, com 5,14%. O índice médio de letalidade do país está em 2,78%. 

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ - 5,14%
  • SP - 3,48%
  • AM - 3,19%
  • PE - 3,17%
  • MA - 2,80%
  • PA - 2,74%
  • AL - 2,64%
  • GO - 2,61%
  • CE - 2,59%
  • PR - 2,56%
  • MS - 2,56%
  • MG - 2,55%
  • MT - 2,49%
  • RS - 2,43%
  • RO - 2,37%
  • SE - 2,17%
  • PI - 2,17%
  • BA - 2,17%
  • DF - 2,14%
  • ES - 2,12%
  • AC - 2,09%
  • PB - 2,07%
  • RN - 1,96%
  • TO - 1,68%
  • SC - 1,63%
  • RR - 1,61%
  • AP - 1,59%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid.  

Copiar o texto
22/12/2021 03:00h

A proposta institui o Programa de Renegociação em Longo Prazo de débitos para com a Fazenda Nacional ou devidos no âmbito do Simples Nacional (RELP)

Baixar áudio

O projeto de lei complementar PLP 46/2021 seguiu para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro. A proposta institui o Programa de Renegociação em Longo Prazo de débitos para com a Fazenda Nacional ou devidos no âmbito do Simples Nacional (RELP). 

Autor do projeto, o senador Jorginho Mello (PL-SC) acredita que a medida é uma boa oportunidade para geração de novos empregos, assim como aumento da renda. 

“O objetivo é ir ao encontro de empresas que estão com dificuldade de pagar os tributos. Quanto maior a renúncia no faturamento que se teve por conta da pandemia, maior o desconto de juro e multa. Ajudamos com crédito e agora com parcelamento, para que a nossa economia possa voltar a girar, os empresários possam continuar dando emprego, o que é fundamental para a retomada da economia”, afirma. 

Câmara aprova projeto de lei que reduz tarifas de minigeradores de energia elétrica

Cobertura de saneamento básico cresce no Brasil, mostra diagnóstico elaborado pelo Governo Federal

O deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP) lembra que, devido aos contratempos gerados pela pandemia da Codiv-19, milhares de pequenas empresas acumularam dívidas tributárias. Por isso, ele defende que o momento é de seguir com medidas que ajudem esses empreendimentos a se recuperarem economicamente. 

“O RELP tem exatamente esse objetivo: separar o que é dívida do que é acessório e proporcionar um parcelamento que a pequena empresa possa honrar com o seu compromisso, mas manter a sua atividade econômica em funcionamento. Nós não queremos receber a qualquer custo, fechando, falindo, quebrando as empresas. Nós precisamos receber e manter as empresas saudáveis, abertas e fundamentalmente gerando empregos”, destaca.

O RELP estabelece o parcelamento em até 15 anos de débitos das micro e pequenas empresas com a União. A medida também vale para microempreendedores individuais. O programa também engloba empresas do Simples que estiverem em recuperação judicial.

Adesão 

Para aderir ao programa de parcelamento é necessário cumprir algumas exigências. Entre elas estão as seguintes: 

  • Confissão irrevogável e irretratável dos débitos em nome do sujeito passivo, na condição de contribuinte ou responsável, e por ele indicados. 
  • Dever de pagar regularmente as parcelas dos débitos consolidados no RELP e os débitos que venham a vencer a partir da data de adesão ao RELP, inscritos ou não em dívida ativa.
  • Aceitação plena e irretratável das condições estabelecidas pelo RELP.
  • Cumprimento regular das obrigações com o FGTS; e durante o prazo de 188 meses, contado do mês de adesão ao RELP, a vedação da inclusão dos débitos vencidos ou que vierem a vencer nesse prazo em quaisquer outras modalidades de parcelamento.
Copiar o texto
21/12/2021 19:20h

Os dados são do Ministério da Saúde e foram apresentados na 12ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite

Baixar áudio

Apesar do esquema vacinal contra a Covid-19 estar caminhando em um bom ritmo no Brasil, quatro estados ainda apresentam baixa adesão ao imunizante: Roraima, Amapá, Pará e Maranhão. Nesses locais, menos de 60% da população vacinável, com 12 anos ou mais, tomaram a segunda dose, de acordo com o Ministério da Saúde. 

A informação foi divulgada na 12ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite.

Os dados de 8 de dezembro também apontam que, nessas unidades da federação,  as taxas de aplicação da primeira dose variam entre 61% e 80%. Os números do Ministério da Saúde são bastante próximos aos dados apresentados pelos vacinômetros das Secretarias Estaduais de Saúde.

Em Roraima, o vacinômetro registra 390.256 aplicações da primeira dose e 249.720 da segunda, até 9 de dezembro. Ou seja, pouco mais da metade da população de 652 mil habitantes do estado (estimativa populacional do IBGE em 2021) já se imunizou com a D1. No entanto, nove dos 15 municípios do estado estão com menos de 50% da população imunizada com duas doses. 

No Amapá, também com dados de 9 de dezembro do vacinômetro da Secretaria de Saúde, 60,92% da população tomou a D1 e 39,86% tomou a D2.

Já no Pará, o índice da Secretaria Estadual de Saúde está atualizado e difere um pouco dos dados do Ministério da Saúde. Em 21 de dezembro, o vacinômetro registra 76,82% da população imunizada com a D1 (5.737.112 aplicações) e 65,8% com a D2 ou dose única (4.914.131 aplicações).

No Maranhão, a atualização de dados da Secretaria Estadual de Saúde também diverge dos índices de cobertura vacinal do Ministério da Saúde. De acordo com o vacinômetro, 79,74 % dos maranhenses tomaram a D1 (984.668 doses) e 71,46 % tomaram a D2 (850.754).

Vale lembrar que no último dia 10 de dezembro, o site do Ministério da Saúde e a página e o aplicativo do ConecteSUS - que fornece o Certificado Nacional de Vacinação Covid-19 - sofreram um ataque de hackers. 

Dados de vacinação são recuperados após ataque hacker, diz Ministério da Saúde

Em nota, a Secretaria de Saúde do Maranhão informou que, “em vista a baixa cobertura vacinal, o Governo do Maranhão colocou à disposição dos municípios com menor taxa de vacinação profissionais de saúde do estado para auxiliar na estratégia de vacinação contra a Covid-19. Cerca de 500 profissionais foram contratados – dentre técnicos de enfermagem e digitadores – para auxiliar os municípios com até 50 mil habitantes, para garantir a celeridade na imunização dos grupos prioritários”.

A Secretaria de Saúde de Roraima também comunicou por nota que a baixa procura pelas vacinas se deve à “resistência e desinformação. No entanto, para reverter essa situação e dar mais efetividade a Campanha de Vacinação no estado, o governo tem ajudado os municípios com ações realizadas de forma parceira para sensibilizar a população”.

“A medida mais recente, executada neste mês, é a parceria firmada pelo governo de Roraima com o Ministério da Saúde, a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde) e 11 prefeituras em uma ação de intensificação da imunização. Em 11 dias foram aplicadas 10.442 vacinas, incluindo 3.479 primeira dose, 5.014 segunda dose e 1.949 doses de reforço.”

A equipe de reportagem do Brasil61.com entrou em contato com as Secretarias de Estado de Saúde de Amapá e Pará, mas não obteve respostas até o fechamento da matéria.

Cobertura vacinal

O infectologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília, doutor Hemerson Luz, afirma que a baixa cobertura vacinal em um estado pode predispor o país ao surgimento de novas variantes do coronavírus.

“Isso porque o vírus continua circulando e se replicando. E as pessoas não vacinadas, ou vacinadas parcialmente, acabam sustentando essa disseminação. Quanto mais o vírus se espalha, maior a possibilidade de aparecerem novas variantes. Quanto maior a taxa de transmissão do coronavírus, ou da variante que está dominando o cenário epidemiológico, maior é a necessidade de cobertura vacinal.”

A secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Melo, orienta que a cobertura vacinal ideal para conter a propagação do coronavírus esteja acima de 90%.

“Há dois meses aproximadamente, nós acreditávamos que uma cobertura vacinal acima de 75% deixaria uma nação tranquila. Hoje, nós já sabemos que a Covid-19 não é bem assim. As coberturas vacinais têm que estar acima de 90%, quiçá 95%. Eu tenho certeza que, com a orientação, com essas campanhas que estamos fazendo, nós conseguiremos sim essa cobertura acima de 90%.”

Dados Covid-19

De acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (21), o Brasil registrou 3.621 novos casos e 75 óbitos por Covid-19. Desde o início da pandemia, mais de 22,2 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. Além disso, já são 27 casos registrados da variante Ômicron em território nacional.

O estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação continua sendo o Rio de Janeiro, com 5,14%. O índice médio de letalidade do país está em 2,78%. 

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ - 5,14%
  • SP - 3,48%
  • AM - 3,19%
  • PE - 3,17%
  • MA - 2,80%
  • PA - 2,74%
  • AL - 2,64%
  • GO - 2,61%
  • CE - 2,60%
  • PR - 2,56%
  • MS - 2,56%
  • MG - 2,55%
  • MT - 2,50%
  • RS - 2,43%
  • RO - 2,37%
  • SE - 2,17%
  • PI - 2,17%
  • BA - 2,17%
  • DF - 2,14%
  • ES - 2,12%
  • AC - 2,09%
  • PB - 2,07%
  • RN - 1,96%
  • TO - 1,68%
  • SC - 1,63%
  • RR - 1,61%
  • AP - 1,59%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid

Copiar o texto
Brasil 61