Campanha de Vacinação

09/05/2022 00:27h

A morte ocorreu em Rondônia, na última quarta-feira. Depois de ficar livre do sarampo em 2016, Brasil registrou novos surtos e luta para erradicar a doença. Campanha de vacinação vai até o dia 3 de junho

Baixar áudio

A primeira morte por sarampo em 2022, registrada na última quarta-feira (4), em Rondônia, chama atenção para a importância da vacinação contra a doença. A idade e o gênero da vítima não foram divulgados pelos gestores estaduais, por questão de sigilo. O óbito ocorreu em meio à campanha nacional de vacinação contra o sarampo, mobilização que acontece em todo o Brasil, e na esteira de um cenário em que estados e municípios patinam para bater as metas de imunização.

Levantamento recente do projeto VAX*SIM, do Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância), revela que, em 2021, nenhum estado brasileiro atingiu a meta preconizada pelo Ministério da Saúde, de vacinar 95% das crianças contra o sarampo. Na esfera municipal, apenas 660 municípios - ou cerca de 12% das prefeituras - alcançaram essa taxa, no ano passado.

Segundo o estudo, em 2021, de cada três crianças brasileiras que tomaram a primeira dose do imunizante, uma não voltou para completar o esquema vacinal, de duas doses. 

“Não temos uma causa para a queda da cobertura vacinal, mas [a queda] começou a acontecer em 2016. E tivemos vários surtos significativos no Brasil, em 2018. E, em 2019, [o Brasil] a gente perdeu esse selo de erradicação do sarampo”, remonta a coordenadora do projeto, Patricia Boccolini. 

Ainda de acordo com o estudo do VAX*SIM, em 2020, o país bateu o recorde de 10 mortes de crianças menores de 5 anos por sarampo. Entre 2018 e 2021, 26 crianças nessa faixa etária morreram pela doença. Segundo o observatório, esses dados são um "retrocesso em um país que entre 2000 e 2017 havia registrado uma morte, no ano de 2013".  

Patricia Boccolini ressalta ainda que a vacinação infantil é uma das ações "mais importantes para prevenir mortes evitáveis de crianças de até 5 anos, com um excelente custo-benefício". 

Falta de informação

A diretora do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cássia Rangel, explica que além da questão do horário de funcionamento dos postos, muitas vezes incompatível com a rotina de pais e responsáveis, a falta de informação sobre a atual situação da doença no país pode ter contribuído para a queda na cobertura vacinal contra o sarampo.
"As principais causas relacionadas a essa queda de cobertura são o sucesso das coberturas de vacinação ao longo dos anos, o que pode causar uma falsa sensação de que não há necessidade de se vacinar. Muitas doenças já foram eliminadas e as pessoas não têm lembrança da ocorrência dessa doença. E também o conhecimento individual sobre a importância dessas vacinas ofertadas gratuitamente pelo SUS, e até mesmo uma baixa percepção de risco dessas doenças que são Imunopreveníveis”, explica a diretora.

Hospitalizações

O número crescente de hospitalizações por sarampo também preocupa. Entre 2018 e 2021, o levantamento aponta que 1.606 crianças foram hospitalizadas com a doença no Brasil. Nos quatro anos anteriores, entre 2014 e 2017, o país havia registrado um total de 137 hospitalizações infantis por sarampo.

Cássia Rangel alerta para a necessidade da imunidade de rebanho, que só é alcançada quando se vacina cerca de 95% do público alvo, e para a importância de a criança completar o esquema vacinal, com as duas doses, já que as complicações podem ser graves.

“As principais complicações de sarampo, as mais comuns, são a otite média, diarreia, pneumonia e a laringotraqueobronquite. Em alguns casos, por causa dessas complicações causadas pelo sarampo, podem levar à hospitalização, especialmente crianças desnutridas e imunocomprometidas”, destaca.

Campanha nacional de vacinação

De acordo com dados do Ministério da Saúde, notificados até a última terça-feira (3), no LocalizaSUS, 1,3 milhão de crianças entre 6 meses a menores de 5 anos tomaram a dose da vacina contra o sarampo. A estratégia de vacinação contra a doença acontece em todo o Brasil ao mesmo tempo em que é realizada a campanha de vacinação contra a influenza, que já aplicou 1 milhão de doses nesse público.

Segundo a pasta, a vacinação pretende “interromper a circulação do sarampo no Brasil”. A segunda etapa começou na última segunda, 2 de maio, e vai até o dia 3 de junho em quase 50 mil pontos de vacinação espalhados por todo o País.
 

Copiar o texto
08/05/2022 16:54h

Objetivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é suspender essa vacinação após a segunda etapa, em novembro, ampliando as zonas livres de febre aftosa no país

Baixar áudio

A estratégia de vacinação contra a febre aftosa no Distrito Federal e em mais seis estados será diferenciada para que ela possa ser suspensa já em novembro deste ano. Segundo orientação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), na primeira etapa de vacinação deverão ser vacinados apenas os bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade. Já na segunda etapa, em novembro, os bois, vacas e búfalos de todas as idades precisam ser imunizados. A estratégia é o inverso do que vinha ocorrendo nas campanhas anteriores.

A suspensão vai ocorrer no Espírito Santo, em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, no Tocantins e Distrito Federal após as vacinações. Aproximadamente 113 milhões de bovinos e bubalinos não precisarão mais ser imunizados após a suspensão, o que corresponde a quase metade do rebanho total do Brasil. A suspensão faz parte do projeto de ampliação de zonas livres de febre aftosa sem vacinação no país. A meta é que o Brasil se torne totalmente livre da doença sem vacinação até 2026. Atualmente, os estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e de Mato Grosso já têm a certificação internacional de zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Durante o anúncio da atual campanha, o ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, ressaltou o trabalho do Brasil para erradicar completamente a febre aftosa.

"É um conquista de todos nós, do Ministério, dos estados e dos produtores rurais. A certeza de que essa união vai fazer cada vez mais a nossa sanidade ser respeitada no mundo, como já é", ressaltou o chefe da Pasta.

O veterinário José Andrade explica que a mudança ocorreu para garantir a completa vacinação nas duas etapas em todo o país.

“A gente estava com alguns problemas de distribuição, de insumos principalmente, para a fabricação de vacinas. E visando a garantia de fornecimento para as duas campanhas, optou-se por fazer essa mudança, trazer a imunização de bovinos e bubalinos até 24 meses apenas agora, em maio, e em novembro a gente vai vacinar o rebanho inteiro, como seria feito em maio, normalmente”, explica.

A primeira etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa iniciou no dia 1º de maio e se estende até o dia 31 de maio. Neste período, precisam ser vacinados os bovinos e bubalinos de até 24 meses de idade, mas não só isso, é preciso também declarar todo o rebanho existente na propriedade, como equinos, suínos, ovinos, caprinos e aves. Se não houver bovinos e bubalinos de até 24 meses para vacinar, isso também deve ser declarado.

Agentes comunitários de saúde: piso aprovado corrige problema de uma década
Empresas podem renegociar dívidas com descontos de até 90%
MDR reconhece a situação de emergência em mais 16 cidades atingidas por desastres

No Goiás, por exemplo, a vacinação contra a febre aftosa de bovinos e bubalinos deve ocorrer nos 246 municípios até o dia 31 deste mês. Segundo a Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), há 27 anos o estado não registra focos de aftosa, graças à parceria do governo estadual com as entidades representativas dos produtores e com os criadores.

A vacinação contra a doença é essencial porque o programa de controle da febre aftosa de um país é usado pelo mercado internacional como referência do seu sistema sanitário, ou seja, influencia diretamente no mercado. Nos últimos anos, o Brasil se tornou um dos maiores exportadores de produtos de origem animal.

Além de veterinário, José Andrade trabalha, junto à família, com pecuária leiteira no interior do Goiás. O especialista ressalta que a cadeia do leite, assim como pecuária de corte, é a que mais emprega no Brasil, direta e indiretamente, gerando emprego e renda nos mais diversos estados e que um deslize pode causar sérios problemas.

“A aftosa traz prejuízos econômicos e sociais muito grandes. Se dentro de uma propriedade tiver um caso de febre aftosa, propriedades num raio de 20 a 50 quilômetros em volta, todos os animais precisam ser eliminados. É importante pensar na saúde do seu rebanho, da sua propriedade, como também dos rebanhos vizinhos”, alerta.

Os produtores que não vacinarem seus animais e não declararem seu rebanho ficam impedidos de transitar seus animais e de comercializar os produtos obtidos da sua criação.

O que é a febre aftosa

A febre aftosa é uma doença de notificação obrigatória conforme o Código Sanitário para Animais Terrestres da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Instrução Normativa nº 50/2013 do MAPA. A doença é causada por um vírus altamente contagioso, com impacto econômico significativo, acometendo principalmente os animais de produção como bovinos, suínos, caprinos, ovinos e outros animais, em especial os de cascos bipartidos (cascos fendidos). A doença é raramente fatal em animais adultos, mas pode causar mortalidade entre os animais jovens.

O vírus da febre aftosa é encontrado em todas as secreções e excreções do animal infectado e pode ser transmitido pelas vias direta (contato entre animais, aerossóis e suas secreções e excreções, sangue e sêmen) ou indireta (água, alimentos, fômites, trânsito de pessoas, equipamentos, materiais, veículos, vestuários, produtos, alimentos de origem animal), entrando no organismo por inalação, ingestão ou abrasão de pele ou mucosas.

Confira aqui o calendário de vacinação contra febre aftosa.
 

Copiar o texto
Saúde
22/04/2022 18:30h

Em contrapartida, boletim da fundação aponta uma maior incidência de casos relacionados ao vírus sincicial respiratório (VSR), mais comum e perigoso para crianças muito pequenas

Baixar áudio

A síndrome respiratória aguda grave (SRAG) entre crianças mostra sinais de queda no Brasil, segundo boletim da Fundação Oswaldo Cruz. Depois de números preocupantes na última semana epidemiológica, a tendência de queda foi confirmada pela Fiocruz no último dia 20, em boletim que corresponde aos dias 10 e 16 de abril.

Segundo os dados da Semana Epidemiológica 15, foram registrados 3,7 mil casos de SRAG em todo o Brasil, sendo que aproximadamente 1,8 mil acometeram crianças de 0 a 4 anos. De acordo com a Fiocruz, a síndrome respiratória aguda grave em crianças teve uma alta incidência no mês de fevereiro, mas, agora, chegou a um platô e começa a apresentar queda no número de casos.

O infectologista Werciley Júnior explica que a SRAG em crianças naturalmente é uma síndrome mais grave porque pode ser causada tanto por Covid-19 quanto por qualquer outro vírus respiratório. Segundo o especialista, felizmente já existem vacinas contra a Covid-19 para crianças a partir de 5 anos.

“Uma das mudanças é que a vacinação entre crianças deu uma evoluída, mas ainda aquém do que a gente esperava, e ainda não entramos no período do frio. É no frio que acontece a evolução da SRAG, então a gente pode sofrer ainda algumas oscilações”, destaca Werciley.

COVID-19: Mesmo com fim de emergência em saúde, pesquisadores defendem necessidade de transição para o fim da epidemia
Anorexia: o que é e quais são as características
COVID-19: Governo anuncia fim do estado de emergência pela Covid-19

Síndrome Sincicial Respiratória – VSR

Apesar de noticiar a queda de casos de SRAG, a Fiocruz emitiu alerta para um aumento considerável no percentual de casos de Vírus Sincicial Respiratório (VSR). O vírus, responsável por causar infecções nas vias respiratórias e bronquite, foi responsável por 41,5% do total de casos de SRAG registrados nas últimas quatro semanas, mesmo a doença sendo observada fundamentalmente nas crianças.

Nos pequenos de até 4 anos, os novos dados laboratoriais indicaram presença de 66,4% de VSR. Já em crianças entre 5 e 11 anos a porcentagem cai para 23%. Com relação ao rinovírus, o predomínio de casos foi de 36% e o de Sars-CoV-2 (Covid-19) foi de 28%.

O vírus sincicial respiratório é bastante comum e prolifera-se em ambientes pouco ventilados e com muita gente, provocando uma doença altamente contagiosa. Um dos principais agentes de infecção aguda nas vias respiratórias, o VSR pode afetar os brônquios e os pulmões, causar inflamação dos brônquios e alvéolos pulmonares, além de pneumonia, especialmente em bebês prematuros e aqueles no primeiro ano de vida. Até mesmo os bebês que receberam anticorpos das mães durante a gestação são vulneráveis à infecção.

O infectologista explica que o número de casos do vírus sincicial respiratório permaneceu baixo durante a pandemia porque o distanciamento social e os cuidados realizados pelas mães protegeram os pequenos, mas que, à medida que todos estão retornando à vida cotidiana, a atenção deve ser retomada.

“O vírus sincicial é o mais comum, que já causa alterações em crianças. Há dois anos nós tivemos um baixo volume porque a maioria das crianças não estava se deslocando e, principalmente, estava usando máscara. Agora, com a retomada das atividades, começa a aumentar novamente”, destaca Werciley, que ressalta a necessidade de vacinar as crianças para que os números de SRAG continuem baixando: “Temos aumento do vírus sincicial, mas temos também a Influenza. Está tendo vacinação de Influenza, então tem de vacinar as crianças, e a vacinação de Covid, apesar de ter diminuído as SRAGs, ainda é uma necessidade de evoluir [a vacinação] nessa população.”

O vírus sincicial respiratório penetra no organismo saudável através das mucosas da boca, do nariz ou dos olhos. O período de transmissão começa dois dias antes de aparecerem os sintomas e só termina quando a infecção está completamente controlada. O contágio se dá pelo contato direto com as secreções eliminadas pela pessoa infectada quando fala, tosse ou espirra e, de forma indireta, pelo contato com superfícies e objetos contaminados, como brinquedos, corrimão e maçaneta de portas.

Caso o bebê apresente secreção nasal, espirros, tosse seca, febre baixa, dor de garganta e dor de cabeça, a família deve procurar atendimento em uma unidade de saúde. A atenção deve ser redobrada caso a criança apresente febre alta, muita tosse e dificuldade para respirar.

Regiões em alerta

Segundo a Fiocruz, entre as 27 unidades da federação, oito apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo de SRAG: Acre, Amapá, Mato Grosso, Pará, Piauí, Paraná, Roraima e Rio Grande do Sul. Alagoas e Paraíba estão com indicativo de crescimento no curto prazo. Todos eles com incidência principalmente na população infantil.

Já oito capitais apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo: Belém (PA), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Macapá (AP), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), e Rio Branco (AC).

Ainda de acordo com os dados do InfoGripe, nas últimas quatro semanas epidemiológicas a prevalência foi 1,6% para Influenza A, 0,2% para Influenza B, 41,5% para VSR e 37,4% para Sars-CoV-2.
 

Copiar o texto
21/04/2022 22:30h

Em webinar, o coordenador do Observatório Covid-19 da Fiocruz, Carlos Machado, defendeu necessidade de planejamento e investimento para país sair com segurança da pandemia

Baixar áudio

Nos últimos 7 dias, a média de mortes por Covid-19 no Brasil foi de 94 mortes. Há exatamente um ano, esse número chegou a 3.347. Com quedas sustentadas de transmissão e mortes, o ministério da Saúde anunciou o fim do estado de emergência (a portaria que oficializa a medida tinha previsão de publicação para esta quarta-feira, mas só deve sair no Diário Oficial da União na sexta-feira, 22). 

O Brasil, que já foi o epicentro da doença, hoje está numa posição mais confortável. No mundo, a Covid-19 já fez 6,2 milhões de vítimas, 662 mil só no Brasil. “Ao passo que a população brasileira corresponde a 2,7% da população mundial, respondemos por 10,7% das mortes, o que é muito alto”, alertou o coordenador do Observatório Covid-19 da Fiocruz, Carlos Machado. 

Para ele, para sair com segurança da pandemia da Covid-19 e sermos capazes de enfrentarmos outras emergências de saúde que possam surgir é preciso ter planejamento e investimento. “Requer não só o fortalecimento do SUS e suas instâncias de gestão participativa e a ampliação do investimento, aumento da capacidade de produção de vacinas, entre outros”, enumerou o pesquisador durante evento promovido pela Fiocruz no dia 20 de abril.  

Desafios para a saúde

Para a doutora em epidemiologia Enthel Maciel a revogação do decreto de emergência no Brasil coloca alguns desafios e que é preciso um tempo de transição. O primeiro deles é que os medicamentos já comprovadamente eficazes contra a Covid-19 e autorizados pela Anvisa estejam disponíveis para as unidades de saúde.  “Por que mesmo pessoas já vacinadas, especialmente as imunossuprimidas, vão ter possibilidade de desenvolver a doença grave.”, alerta a pesquisadora. 

Além disso, Enthel também aponta para a necessidade da definição de protocolos de atendimento da Covid-19 para os diferentes graus de gravidade. “Estamos há dois anos nessa situação e o Brasil não tem protocolos de atendimento unificado para todos os níveis de atenção”. Segundo a pesquisadora, os protocolos já foram discutidos em grupo de trabalho, mas ainda não estão disponíveis. Além disso, ela recomenda que campanhas sejam feitas para as doses de reforço da vacina e que haja previsão orçamentária para campanhas futuras. 

Aumentam casos de síndrome respiratória aguda em crianças
COVID-19: Governo anuncia fim do estado de emergência pela Covid-19


Fim da Covid?

Para os pesquisadores não é possível falar no fim da Covid, até porque o vírus continua em circulação. “Podemos falar em extinção da onda. A extinção da Covid é pouco provável diante da transmissibilidade do vírus e seus aspectos evolutivos”, disse Daniel Villela, coordenador do Programa de Computação Científica da Fundação (Procc/Fiocruz). 

O mais provável é que se conviva com uma endemia, que é quando se espera um padrão de transmissão dentro de um recorte temporal. “É necessária uma preparação para o enfrentamento das fases de maior transmissão da doença”, recomenda. Para ele, é preciso aproveitar os tempos de baixa transmissão para se adiantar a possíveis variantes e trazer respostas eficientes no que diz respeito à adaptações de vacinas, caso necessário. 

Aprendizados e desafios 

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, defende que a pandemia da Covid-19 precisa deixar como legado o investimento em pesquisa. “É fundamental investimento, permanente, constante em ciência, tecnologia e inovação. Nada da resposta mesmo ocorreu sem um histórico, sem investimentos anteriores”. Ela cita como exemplo a vacina da Oxford AstraZeneca que hoje é totalmente nacionalizada. Além disso, Nísia aponta a necessidade de se descentralizar unidades de pesquisa e laboratórios e de se avançar nas cooperações multilaterais.   

“É de fundamental importância fortalecer o sistema de saúde de proteção social. Creio que esse ponto é vital e, já que eu falei de tecnologia antes, eu queria deixar claro que na nossa perspectiva não existe uma visão isolada da tecnologia. Ela tem que se dar associada ao acesso e à visão dos sistemas de saúde”, defendeu Nísia. 

Pós Covid

O investimento em atendimento das sequelas da Covid ou da Covid longa é outro ponto de preocupação dos pesquisadores. “Os riscos da pandemia continuam presentes e ela deixa um passivo enorme para o SUS”, disse o  coordenador do Observatório Covid-19 da Fiocruz, Carlos Machado. Estudos apontam que cerca de cerca de 70% das pessoas que tiveram a forma grave da covid apresentam sequelas mesmo passado meses da infecção aguda. 

Teve Covid-19? Saiba quais são os sintomas mais persistentes

Os especialistas alertaram para a necessidade de seguir avançando na vacinação de crianças e na aplicação de doses de reforço na população. O uso de máscaras em locais de aglomeração e pouca circulação de ar, como o transporte público, continua recomendado. 

Copiar o texto
05/04/2022 02:51h

Campanha começou nesta segunda-feira (4)

Baixar áudio

Com um dos sistemas mais eficientes de vacinação do mundo, o Brasil começou nesta segunda-feira a campanha de vacinação contra a gripe e o sarampo. As campanhas vão até o mês de junho e pretendem atingir pouco mais de 96 milhões de pessoas. 

“Nós temos vacinas, temos uma capacidade sem precedentes de aplicar essas vacinas graças aos vacinadores que estão nas mais de 38 mil salas de vacinação do Brasil. Outro ponto é a conscientização da nossa população que busca as salas de vacina, uma vez que já pagamos um preço muito alto no passado com pessoas que morreram por doenças que seriam evitadas com campanhas de vacinação eficientes”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, no evento de lançamento das campanhas que ocorreu na tarde desta segunda-feira (4).

No caso da campanha contra a gripe, são quase 78 milhões de brasileiros divididos em 16 grupos prioritários. A primeira etapa vai até o final de abril e visa imunizar os idosos com mais de 60 anos e os profissionais da área de saúde. Em maio, serão vacinadas os demais grupos como  crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos, grávidas, pessoas com comorbidades, professores, etc. A meta é imunizar, pelo menos, 90% desse grupo. 

A vacina contra a gripe foi adquirida por meio de um convênio com o Instituto Butantã. Foram empregados R$ 1,2 bilhões em 80 milhões de doses que possuem proteção contra três tipos virais que mais circularam em 2021: H1N1, H3N2 e Influenza B.  O diferencial neste ano é que as vacinas contra a Covid-19 e contra a gripe, podem ser ministradas simultaneamente em pessoas com mais de 12 anos. 

Saúde bucal: precisa trocar a escova de dentes após ter Covid-19?

CADERNETA DA CRIANÇA: quais novidades e como conseguir

1ª etapa - de 04/04 a 02/05

  • idosos com 60 anos ou mais;
  • trabalhadores da saúde;

2ª etapa - de 02/05 a 03/06

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Comorbidades;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

Sarampo

A campanha contra o sarampo pretende aplicar 18,8 milhões de doses em profissionais da saúde e crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos. “O grande objetivo da campanha contra o sarampo é interromper a circulação ativa do sarampo no país, minimizar a carga de doença, proteger a população, além de reduzir a sobrecarga do sistema de saúde em decorrência de mais esse agravo”, comentou o secretário de Vigilância à Saúde, Arnaldo Medeiros. 

Para a representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Socorro Gross, o país é um exemplo de eficiência na aplicação de imunizantes. Ela destacou o fato de mais de 75% da população brasileira estar imunizada, o que a encorajou a falar sem máscara, pela primeira vez desde o início da pandemia, em um evento público. “Porque um país pode ter vacina, pode ter programa, mas se a população não acredita nós não temos as coberturas que hoje o Brasil tem”, reforçou.
 

Copiar o texto
02/04/2022 16:30h

Campanha deste ano visa crianças de 6 meses a menores de 5 anos, além de profissionais da saúde

Baixar áudio

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo neste ano será voltada a crianças de seis meses a menores de 5 anos e trabalhadores da saúde. A mobilização começa nesta segunda-feira (4), em conjunto com a Campanha de Vacinação contra a Influenza, vírus causador de gripes.

O sarampo é uma doença grave e altamente contagiosa causada por um vírus, além de ser potencialmente mortal para crianças. Antes da introdução da vacina, em meados da década de 1960, as epidemias da doença matavam cerca de 2,6 milhões ao ano. E mesmo com a vacina, o sarampo continua a ser uma das principais causas de morte entre crianças em todo o mundo. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, em 2017 aproximadamente 110 mil pessoas morreram por causa do vírus, a maioria delas crianças com menos de cinco anos.

O infectologista Hemerson Luz explica que a questão do sarampo no Brasil é complicada porque o vírus foi quase erradicado com boas campanhas de vacinação, mas, nos últimos anos, o país voltou a registrar casos. Isso  pode se tornar um problema, se a cobertura não alcançar a maioria da população.

“O sarampo é uma situação até especial porque ele já estava quase erradicado no Brasil e ele voltou a ter caso. Nós voltamos a ter casos de sarampo porque diminuiu a cobertura vacinal. O sarampo é altamente transmissível e caso a cobertura esteja abaixo de 90% ele pode se disseminar. Uma das últimas coberturas vacinais, dependendo da localidade, tem cidades do interior que não chegaram a 50%”, alerta o infectologista.

As crianças brasileiras de seis meses a menores de 5 anos totalizam um público de 12,9 milhões e a meta do Ministério da Saúde é vacinar, no mínimo, 95% desse público, ou seja, cerca de 12,3 milhões. O intuito é atualizar as doses que ainda estejam atrasadas, além de proteger esse público contra a doença, considerando o risco diante da maior exposição nos serviços de saúde. Nesta estratégia, as vacinas tríplice viral e influenza serão ofertadas para administração na mesma visita ao serviço de saúde. A Pasta ressalta que a vacinação simultânea é uma atividade recomendada pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) para redução de oportunidades perdidas de vacinação.

Hermerson Luz explica que os pais não devem temer a vacina ou dar ouvidos às notícias falsas sobre os imunizantes que circularam ultimamente, principalmente por causa da pandemia. O infectologista ressalta que a vacina é segura e na última década evitou milhões de mortes. “As pessoas estão com receio da vacina, por muitas notícias que acabaram sendo veiculadas relacionando a vacina com outros problemas de saúde que não são verdadeiros. Vacina não se relaciona com o autismo e algumas pessoas estão considerando isso uma verdade. Diminuiu, inclusive, a cobertura vacinal da poliomielite. O Brasil entrou agora na lista de países com risco de ter casos de poliomielite porque a cobertura vacinal também baixou. É de suma importância que os pais responsáveis levem suas crianças para vacinar porque o sarampo é uma doença potencialmente grave”, aponta o infectologista.

Karoline Pereira da Silva, professora, 39 anos, foi mãe pela primeira vez há sete meses e sabe a importância que tem as vacinas na saúde de uma criança. Ela entende que, ao vacinar Eduarda contra o sarampo, não estará protegendo apenas a filha, mas também outras crianças.

“Eu vou estar protegendo minha filha contra o vírus, e como é um vírus que é passado de pessoa para pessoa, eu vou estar evitando que esse vírus vire uma pandemia. Porque vai dissipando essa doença. Estou evitando que minha filha fique doente com esse vírus e evitando com que a população também pegue”, destaca Karoline.

CADERNETA DA CRIANÇA: quais novidades e como conseguir
GIRO BRASIL 61: Estados sem morte por Covid-19, agenda legislativa da indústria, 5G, reuso de água e título de eleitor
HPV: quais doenças está associado e como prevenir
 

Calendário

Além das crianças, os trabalhadores da saúde serão convocados para atualizar a situação vacinal. Confira o calendário da 8ª Campanha Nacional de Seguimento e Vacinação de Trabalhadores da Saúde contra o Sarampo

  • De 4 de abril a 2 de maio: vacinação dos trabalhadores da saúde - juntamente com a primeira etapa da vacinação contra influenza;
  • De 3 de maio a 3 de junho de 2022: campanha de seguimento contra o Sarampo para crianças de 6 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias) – juntamente com a segunda etapa da vacinação contra influenza.

Sarampo

O sarampo é uma doença viral grave e altamente contagiosa que pode evoluir para complicações e levar à morte. Os primeiros sintomas são febre, tosse, coriza, como um resfriado comum. O paciente pode ter perda de apetite e apresentar conjuntivite, com olhos vermelhos, lacrimejantes e fotofobia.
O sintoma mais característico são as manchas vermelhas na pele. Essas erupções começam no rosto, na região atrás da orelha, e vão se espalhando pelo corpo. O paciente também pode sentir dor de garganta.
A maior preocupação do sarampo está direcionada a crianças pequenas e pacientes imunocomprometidos, pois o vírus pode causar graves problemas de saúde:

  • diarreia intensa
  • infecção de ouvido
  • perda da visão
  • pneumonia
  • encefalite (inflamação do cérebro)

A maioria dos casos de mortes decorrem de complicações no trato respiratório ou de encefalite.

A pessoa que tem sarampo pode começar a transmitir a doença cerca de cinco dias antes de aparecerem as manchas na pele. Além disso, ela continua transmitindo o vírus quatro dias depois de as erupções terem desaparecido. A vacina é a única forma de prevenção.
 

Copiar o texto
04/03/2022 18:48h

Os autotestes para a detecção da Covid-19 já começaram a chegar nas farmácias. A expectativa é que na próxima semana já esteja disponível em todo o Brasil

Baixar áudio

As redes de farmácias de vários estados brasileiros já começaram a comercializar os autotestes de Covid-19 nesta sexta-feira (4). A metodologia foi aprovada pela Anvisa para ser realizada no Brasil em janeiro. Até agora, a Agência liberou seis modelos de testes.

Em uma rede de farmácias, por exemplo, o autoteste está à venda por R$ 69,90, mas ainda não está disponível em todas as lojas. A expectativa é que até a próxima semana, mais unidades já tenham o produto a pronta entrega. 

O autoteste usa a coleta por meio do swab (aquele cotonete para a coleta de secreção nasal). Diferentemente dos testes de antígeno realizados por profissionais da saúde, que fazem a coleta profunda na nasofaringe, o autoteste capta a secreção mais superficial. 

Covid-19: qual o melhor teste para detectar o vírus?

Brasil alcança marca de 460 milhões de vacinas distribuídas e já tem doses para vacinar todas as crianças de 5 a 11 anos

Como coletar 

A pessoa deve higienizar bem as mãos com água e sabão para manusear o pacote. O autoteste vem com um swab (cotonete), um tubo plástico com o líquido para a detecção do antígeno e um cartão teste. Além disso, o teste vem com a bula com instruções de uso. 

  1. Procure um local distante de outras pessoas;
  2. Abra as embalagens com as mãos higienizadas;
  3. Incline a cabeça para trás e introduza o cotonete no nariz (no máximo até 2,5 cm). Gire o cotonete por cerca de dez vezes em cada narina (é normal sentir incômodo);
  4. Coloque a amostra do cotonete no tubo que contém a solução reagente;
  5. Gire o cotonete por dez vezes dentro do tubo; 
  6. Retire o cotonete. Na hora que for retirar, pressione o tubo para extrair o excesso de líquido do algodão;
  7. Feche o tubo;
  8. Coloque o líquido do tubo com a tampa conta-gotas no cartão teste;
  9. Aguarde a reação que deve durar cerca de 15 minutos; 
  10.  Descarte todo o material usado dentro da embalagem que veio. Trata-se de um descarte de rejeito, apesar do material ser de plástico não pode ser colocado junto com o lixo reciclável.

Interpretando o resultado

O cartão teste tem um visor que apresenta riscos: um tracinho significa resultado negativo. Dois tracinhos, positivos; Caso apresente um traço no meio, o teste foi inconclusivo.  

Arte: Joksã Natividade /ABR

A biomédica sanitarista especialista em microbiologia clínica Fabiana Nunes alerta para o risco de testes mal executados. “A grande preocupação é o teste falso negativo. Significa que ela tem o Sars-CoV-2 e ela transmite e não foi detectado porque não foi feito de forma adequada”, pontua. 

A Anvisa não considera os resultados do autoteste para fins de diagnóstico. O resultado é usado apenas para a orientação. No caso de testes positivos, é necessário um diagnóstico feito por um profissional de saúde. 
 

Copiar o texto
27/02/2022 16:50h

Mais 2,5 milhões de imunizantes da Pfizer destinados a crianças de 5 a 11 anos chegaram ao país na última sexta-feira (25)

Baixar áudio

A maior campanha de vacinação da história do Brasil atingiu mais uma marca histórica neste domingo de carnaval (27): 460 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 já foram distribuídas para todos os estados e o Distrito Federal. Isso garantiu a vacinação de mais de 90% da população acima de 12 anos com a primeira dose, graças a um processo logístico complexo, coordenado pelo Ministério da Saúde. E as crianças de 5 a 11 anos serão as próximas a encorpar as estatísticas, já que mais um lote de 2,5 milhões de vacinas pediátricas desembarcou no país, na última sexta-feira (25), número suficiente para a cobertura completa deste público.

Com a distribuição das vacinas realizada até aqui, mais de 83% da população adulta já está com o esquema vacinal completo ou dose única. Além disso, mais de 53 milhões de brasileiros já tomaram a dose de reforço, aplicada quatro meses após a segunda dose.

Vacina brasileira

Outra notícia importante nesta semana foi o recebimento do primeiro lote da vacina Covid-19 produzida 100% em solo brasileiro, o que marca a autossuficiência do Brasil na produção de imunizantes. São mais de 550 mil doses nesta primeira remessa, entregues pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). As doses começam a ser distribuídas a todo o território nacional nos próximos dias.

Vacinação infantil

Na última sexta-feira (25), o Brasil também recebeu mais 2,5 milhões de vacinas pediátricas, voltadas para a imunização de crianças de 5 a 11 anos. Segundo o Ministério da Saúde, já foram distribuídas mais de 20 milhões de doses para crianças e o país tem o suficiente para imunizar todo o público-alvo infantil contra a Covid-19.

Ainda segundo a Pasta, os imunizantes da Pfizer que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), e serão distribuídos para todos os estados e o Distrito Federal nos próximos dias, passaram por um rígido controle de qualidade.

A infectologista Joana D'arc, explica que os pais ainda receosos em vacinar os filhos devem procurar fontes confiáveis de informação e não aquilo que é espalhado nas redes sociais. “Existem algumas mensagens que as pessoas passam de possíveis eventos adversos. Alguns nem foram comprovados, mas aí as pessoas jogam de forma aleatória na mídia ou em WhatsApp, em grupos diversos e muitas informações não são verdadeiras. Então, se informe, busque fontes reconhecidas internacionalmente e aí você tira suas dúvidas. É muito importante vacinar seu filho, não deixe de vacinar. Vacinar nesse momento é um ato de amor, é um ato de prevenção, de segurança”, alerta a especialista.

Municípios receberão R$ 160 milhões para ações voltadas ao atendimento de pessoas com sintomas pós-Covid-19

Mesmo sem tradicionais festas de carnaval, viagens crescem no período

A terapeuta Flávia Soares Stigliano, 38 anos, já vacinou os dois filhos, um de 6 e outro de 13 anos. A paulistana alerta os pais que ainda estão na dúvida sobre a importância da vacina e lembra que o ato de proteção dos filhos felizmente já faz parte da nossa cultura.

“A vacinação é extremamente importante para prevenção, a vacina dá oportunidade de prevenir doenças e não corrigir, é interessante a gente pensar na questão de prevenção. A gente tem essa cultura desde sempre. A gente se vacina desde bebê e vacina nossos filhos, e isso traz tranquilidade, segurança como mãe, como cidadã. Isso não tem preço”, relata Flávia.

Segundo o Ministério da Saúde, imunizantes pediátricos da Pfizer e Coronavac foram distribuídos a todos os estados e o Distrito Federal e os pais precisam ficar atentos à dose de reforço. Aqueles que tomaram a vacina da Pfizer, devem retornar às Unidades Básicas de Saúde para receber a segunda dose oito semanas depois de tomar a primeira dose. Já para quem tomou o imunizante da Coronavac, o intervalo entre uma dose e outra é de 28 dias.
 

Copiar o texto
24/02/2022 15:45h

Mesmo com dados gerais de vacinação contra a Covid-19 na casa dos 70%, o Brasil ainda tem municípios em que o índice não atingiu 40% da população imunizada com o esquema completo. É o caso do município que está no ponto mais extremo do norte do país, Oiapoque (AP). Para vencer a pandemia, é preciso ampliar a cobertura vacinal.

Baixar áudio

Para chegar ao fim da Pandemia da Covid-19 é preciso ampliar a cobertura vacinal. Atualmente, cerca de 80% da população recebeu ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Aproximadamente 70% dos brasileiros estão protegidos com a segunda dose ou dose única e 25% já tomou a dose de reforço.

O Oiapoque é o município que tem a menor cobertura vacinal do Amapá. Segundo dados do vacinômetro estadual, até o dia 23 de fevereiro, menos de 40% da população do município estava com o esquema vacinal completo. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, convoca a população para ir aos postos tomar a vacina: "a dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos aqui no estado", reforça. 

Teve Covid-19? Saiba quais são os sintomas mais persistentes

Vacina 100% nacional começa a ser aplicada

Para estimular a vacinação, a prefeitura de Oiapoque tem feito rondas itinerantes de saúde com aplicação de vacina e testagem rápida da população. O médico infectologista do Hospital das Forças Armadas, doutor Hemerson Luz, lembra que a forma mais eficiente de evitar casos graves e sequelas da Covid-19 é a vacinação. 

“A melhor estratégia para evitar a covid longa ou a presença de sequelas é a vacinação. Sabemos que todas as vacinas foram previamente testadas contra a segurança e eficácia. E foram aprovadas para a ANVISA. E devem ser feitas de uma forma ampla na população. A maior transmissibilidade exige uma cobertura vacinal maior para tentar diminuir a circulação do vírus. E sabemos também que pessoas vacinadas ficam mais protegidas das formas graves da covid-dezenove. E consequentemente poderão evitar a existência ou o surgimento da covid longa ou das sequelas.”, alerta o infectologista. 

Se você já se vacinou, estimule seus conhecidos a buscar um posto de vacinação. Fique atento ao calendário para não atrasar as doses. Quem tem mais de 18 anos e recebeu a segunda dose ou dose única há mais de 4 meses, já pode tomar a dose de reforço. Crianças acima de 5 anos também já podem ser imunizadas. 
 

Copiar o texto
24/02/2022 15:30h

Completar o esquema vacinal e tomar a dose de reforço evita o desenvolvimento de casos mais graves

Baixar áudio

Para chegar ao fim da Pandemia da Covid-19 é preciso ampliar a cobertura vacinal. Atualmente, cerca de 80% da população brasileira recebeu ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Aproximadamente 70% dos brasileiros estão protegidos com a segunda dose ou dose única e 25% já tomou a dose de reforço.

Mas a cobertura não é igual em todos os municípios. O município de Santa Cruz do Arari, no Pará, é o que tem a menor cobertura vacinal no estado. Segundo dados do Ministério da Saúde, até o dia 23 de fevereiro, menos de 10% da população do município estava com o esquema vacinal completo. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, convoca a população para ir aos postos tomar a vacina: "a dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos aqui no estado", reforça. 

Teve Covid-19? Saiba quais são os sintomas mais persistentes

Vacina 100% nacional começa a ser aplicada

Os municípios de São Félix do Xingu e Santana do Araguaia também não chegaram a 20% da população com o esquema vacinal completo até a última semana de fevereiro. O médico infectologista do Hospital das Forças Armadas, doutor Hemerson Luz, lembra que a forma mais eficiente de evitar casos graves e sequelas da Covid-19 é a vacinação.

“A melhor estratégia para evitar a covid longa ou a presença de sequelas é a vacinação. Sabemos que todas as vacinas foram previamente testadas contra a segurança e eficácia. E foram aprovadas para a ANVISA. E devem ser feitas de uma forma ampla na população. A maior transmissibilidade exige uma cobertura vacinal maior para tentar diminuir a circulação do vírus. E sabemos também que pessoas vacinadas ficam mais protegidas das formas graves da covid-dezenove. E consequentemente poderão evitar a existência ou o surgimento da covid longa ou das sequelas.”, alerta o infectologista. 

Se você já se vacinou, estimule seus conhecidos a buscar um posto de vacinação. Fique atento ao calendário para não atrasar as doses. Quem tem mais de 18 anos e recebeu a segunda dose ou dose única há mais de 4 meses, já pode tomar a dose de reforço. Crianças acima de 5 anos também já podem ser imunizadas. 
 

Copiar o texto
Brasil 61